quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Campanha da CPT de Combate ao Trabalho Escravo divulga dados de 2013

28 de janeiro de 2014





Em 2013 cresceu o número de casos identificados como de trabalho escravo. Em 2012 foram registrados 189 casos, este número se elevou para 197 casos em 2013. Confira os demais dados da CPT sobre Trabalho Escravo e o abaixo-assinado promovido pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), Repórter Brasil e Walk Free que, após finalizado, será encaminhado ao Congresso Nacional.

Quando se completam 10 anos do Massacre de Unai, MG, 28/01/2004,em que três auditores Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e um motorista que investigavam denúncias de trabalho escravo numa fazenda da região foram assassinados, os números registrados pela Campanha da CPT de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo não permitem que se comemore a erradicação deste mal que tanto aflige milhares de trabalhadores e trabalhadoras Brasil afora.

Em 2013 cresceu o número de casos identificados como de trabalho escravo. Em 2012 foram registrados 189 casos, este número se elevou para 197 casos em 2013. Já em relação ao número de trabalhadores envolvidos houve decréscimo: 3.680 trabalhadores envolvidos, com resgate de 2.730, em 2012; 2.874 trabalhadores envolvidos e 2.208 libertados, em 2013.

Dos 197 casos identificados em 2013, foram fiscalizados 175.

A Campanha da CPT foi responsável pela denúncia de 50 dos 197 casos, envolvendo 799 trabalhadores. Foram fiscalizados apenas 29 dos casos denunciados pela Campanha, o que resultou na libertação de 174 pessoas.

Dos 197 casos identificados, 128 ocorreram em atividades da agropecuária e 69 em atividades não agrícolas.

Diferentemente de anos anteriores, quando a região Norte se destacava tanto pelo número de casos identificados quanto pelo de pessoas envolvidas, em 2013, a região Sudeste foi a que apresentou o maior número de trabalhadores envolvidos, 1.186, bem como o maior número de trabalhadores libertados, 1.147, equiparando-se quase à região Norte pelo número de casos: 53 no Sudeste contra 55 no Norte. Em seguida vem à região Nordeste, com 42 casos, Centro-Oeste com 31 e Sul com 16. Pelo número de trabalhadores envolvidos em trabalho escravo, o Nordeste vem sem segundo lugar, com 603, seguido da região Norte, com 505, Centro-Oeste com 430 e Sul com 150.

Já em relação a trabalhadores libertados, o Nordeste vem em segundo lugar com 330 libertados, seguido do Centro-Oeste com 309. Só então vem a região Norte com 274 e a região Sul com 148.

O número maior de casos identificados foi na atividade pecuária, 69. Em segundo lugar veio a construção civil com 45 casos, seguida da exploração em lavouras diversas (laranja, tomate e outros) 34 casos.

Já em relação ao número de trabalhadores envolvidos, a Construção Civil está em primeiro lugar com 1.041 pessoas, tendo sido resgatadas 914 pessoas. Em segundo lugar está a exploração em lavouras diversas com 602 trabalhadores envolvidos e 453 libertados e, a seguir, vem a pecuária com 539 trabalhadores envolvidos e 266 libertados.

PEC

Tão preocupante quanto a exploração do trabalho em situações análogas ao trabalho escravo é a tentativa da Bancada Ruralista no Congresso Nacional de alterar o conceito legal que define o crime de trabalho escravo no Brasil. Em troca da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que determina o confisco de propriedades flagradas com exploração de trabalho escravo, os ruralistas teimam em retirar da definição do trabalho escravo (estabelecida no artigo 149 do Código Penal aprovado em 2003) elementos essenciais na caracterização contemporânea deste crime. O objetivo é claro: eliminar do texto legal o que se pratica na realidade (a violação brutal da dignidade dos trabalhadores) e tornar inócuo o confisco da propriedade.

Nesta semana de Combate ao Trabalho Escravo, a Comissão Pastoral da Terra, Repórter Brasil e Walk Free lançaram uma Campanha de mobilização com tema “Trabalho escravo existe. Ruralistas, parem de negar!”. As assinaturas serão encaminhadas ao Congresso Nacional para que este mantenha os termos da atual legislação.


Fonte: CPT

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Inscrições abertas para Cursos de Economia solidária

Abertas as inscrições para os cursos de Gestão em Empreendimentos, Cestaria e Confecção de Instrumento de Percussão. INSCREVA-SE ATÉ O DIA 02 DE OUTUBRO. Local: Av. do Contorno, 590 – Centro, mais informações: (91) 8225-8890

quinta-feira, 18 de julho de 2013

JMJ: Tenda chama atenção para a luta em defesa da vida da juventude


Como parte da programação oficial da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), tem início nesta segunda-feira (22) e segue até a sexta-feira (26) a “Tenda das Juventudes”. O evento também acontecerá no Rio de Janeiro, na Paróquia Santa Bernadete, na Avenida dos Democráticos, 896, no bairro Higienópolis.

Sob o tema “A Juventude quer Viver!”, a iniciativa tem como objetivo mobilizar os jovens presentes na JMJ para a conscientização e luta em defasa da vida da juventude.  A temática escolhida tem pautado, sobretudo, o combate a violência e o extermínio que assola a população jovem.

Com atividades organizadas pela Cáritas Brasileira, Pastoral da Juventude (PJ), Juventude Franciscana (Jufra), Centro de Formação, Assessoria e Pesquisa em Juventude (Cajueiro), Rede Ecumênica da Juventude (Reju), Irmandade dos Mártires da Caminhada e Setor Pastoral da PUC/RJ, a tenda será um espaço de acolhida, formação, debate e troca de experiências entre milhares de jovens de várias partes do mundo que estarão presentes na JMJ.

Além dos momentos de debate, também acontecerão momentos de visitação aos estandes e exposição, apresentações culturais e celebrações, com destaque para a vigília Martirial – espaço em memória dos mártires da caminhada, denominado Santuário dos Mártires.

A tenda tem como proposta ouvir e dar voz a juventude, e através deste diálogo sensibilizar mais pessoas para o engajamento na discussão sobre a banalização da violência e a defesa da vida dos jovens. Para isso, o evento proporcionará momentos de discussão, através dos quatro eixos temáticos escolhidos para nortear as plenárias: “Direitos da Juventude”, “Sociedade e Novas Relações”, “Dimensão Eclesial” e “Comunicação e Cultura”.

Vale ressaltar que cada eixo agrega sub-temas que compõem os painéis das plenárias como, por exemplo, “A Juventude quer Viver!: as políticas públicas em defesa da vida da juventude e os impactos da redução da maioridade penal na promoção da cultura da paz”, “Justiça e Transição, Memória e Compromisso: papel dos cristãos no processo de democratização dos Estados em regimes ditatoriais”, “Desafios Socioambientais da Humanidade e Juventude”; “Crise Econômica, Direitos Sociais e Juventudes”, “Civilização do Amor: ecumenismo – juventude como lugar teológico”, “Tráfico de Pessoas”, “Juventude, Cultura, Comunicação e Direitos” e “Solidariedade”.

Confira a programação CLIQUE AQUI
Fonte: http://especial.caritas.org.br/wp-content/uploads/2013/07/programacao-tenda.pdf
por Kilma Ferreira, assessora de Comunicação da Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2